quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Customização

Ok, ok....Comprar pra maioria das pessoas é algo de muito bom....mas em tempos de crise monetária e ecológica, dar uam cutomizada é bem legal e faz você se apegar de novo aquela roupa ou objeto que você luta com todas as suas forças em se desfazer...vira uma boa desculpa pra você não passar a diante...rss
Vou mostrar primeiro algumas idéias de móveis que tirei do google imagens.
Olhem só!!!


















Agora de algumas roupas....








Legal né!!! Agora é só soltar a imaginação...rss


bjs

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Conforto Ambiental

Para quem busca um ambiente que ao mesmo tempo seja agradável e eficiente (em termos de economia de energia), deve sempre procurar profissionais que tenham pleno domínio do assunto.

O conforto ambiental nada mais é do que adequar os princípios físicos envolvidos e as necessidades do ambiente. Nessescidades estas que se dividem em temperatura, luz, acústica e visual. A seguir entrarei em maiores detalhes sobre cada uma destas necessidades apontando as razões, benefícios, de se avaliar bem estas enquanto se faz o projeto de reforma ou construção de um imóvel, seja ele residencial ou comercial.

CONFORTO TÉRMICO
Basicamente podemos, para resumir pois é um assunto bem extenso, descrever as reações encontradas em ambientes quentes e frios:

Reação ao frio

Quando as condições ambientais proporcionam perdas de calor do corpo além das necessárias para a manutenção de sua temperatura interna constante, o organismo reage por meio de seus mecanismos automáticos (sistema nervoso simpático), buscando reduzir as perdas e aumentar as combustões internas. A redução de trocas térmicas entre o indivíduo e o ambiente se faz através do aumento da resistência térmica da pele por meio de vasoconstrição, arrepio e tiritar. O aumento das conbustões internas (termogênese) se faz através do sistema glandular endócrino.

Reação ao calor

Quando as perdas de calor são inferiores às necessárias para a manutenção de sua temperatura interna constante, o organismo reage por meio de seus mecanismos temo-reguladores, proporcionando condições de trocas de calor mais intensa entre o organismo e o ambiente, e reduzindo as conbustões internas. O incremento ds perdas de calor para o ambiente se faz por meio da vasodilatação e da exsudação (suor). A redução das conbustões internas (termólise) também se faz através do sistema glandular endócrino.

CONFORTO LUMÍNICO (LUZ)

Cosmo Palasio de Morais Junior, autor do artigo online "Considerações sobre Iluminação e Trabalho", consegue descrever em poucas linhas e palavras a situação e a importancia da qualidade de Iluminação em ambientes:

"[...] o processo da visão é bastante complexo e implica em uma série de fatores. Por isso mesmo é de grande importância tanto para a segurança das pessoas como para a qualidade do produto que a iluminação do posto de trabalho seja adequada as exigências da tarefa. Iluminação insuficiente implicam diretamente na perda de desempenho e no aumento do número de acidentes.

Um antigo e interessante estudo feito por Dall em 1973 – mostrava a influência da intensidade luminosa sobre o desempenho, refugo e acidentes:



A qualidade da iluminação dos postos de trabalho não é definida apenas pelo nível de iluminação. Deve-se levar em conta também a distribuição da densidade luminosa, a limitação do ofuscamento, a direção da luz e da sombra e a cor da luz e reprodução das cores. Sempre que possível deve-se buscar também uma iluminação uniforme

CONFROTO ACÚSTICO


O conforto acústico é uma condição importante a procurar para alcançar bem-estar. A ausência de conforto acústico condiciona fortemente a nossa saúde e a nossa produtividade.
Condições acústicas desfavoráveis acarretam problemas como: dificuldade de
comunicação, irritabilidade e efeitos nocivos à audição e saúde.
O tratamento acústico visa atenuar o nível de energia sonora, através de isolamento
atenuador, tratamento absorvente ou os dois combinados.

CONFORTO VISUAL

os efeitos danosos resultantes dos impactos visuais causados por determinadas ações e atividades, a ponto de: prejudicar a saúde, a segurança e o bem estar da população; criar condições adversas às atividades sociais e econômicas; afetar desfavoravelmente a biota; afetar as condições estéticas ou sanitárias do meio ambiente. Em forma de poluição se apresenta através das pichações, da disposição inadequada do lixo, da extensão de redes aéreas, dos monumentos mal cuidados, bem como, pelo elevado número de cartazes publicitários, placas, painéis e letreiros, os quais se multiplicam pela cidade encontrando-se espalhados por todos os cantos e paredes, com propagandas das mais diversas origens que acabam por agredir, de uma forma ou de outra às outras pessoas, gerando diversos malefícios.

Pode-se presumir então que, a busca pelo equilibrio entre temperatura, sons e ruídos, luminosidade e estudo visual do ambiente, são promordiais em um projeto arquitetonico, pois com estes fatores bem casados é possível desenvolver ambientes que cada vez fiquem personalizados e agradáveis a quem irá desfrutá-lo.

Para maiores informações, pesquisas ou agendamento entrar em contato com a autora do blog.





Fontes:
http://pt.shvoong.com
http://www.ecivilnet.com
http://www.macamp.com.br
http://8541069592998557813-a-1802744773732722657-s-sites.googlegroups.com

Sustentabilidade: Da teoria à prática

Desenvolvimento sustentável é o desenvolvimento capaz de suprir as necessidades da geração atual, garantindo a capacidade de atender as necessidades das futuras gerações. É o desenvolvimento que não esgota os recursos para o futuro.
Essa definição surgiu na Comissão Mundial sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento, criada pelas Nações Unidas para discutir e propor meios de harmonizar dois objetivos: o desenvolvimento econômico e a conservação ambiental.

Nos últimos anos, práticas de responsabilidade social corporativa tornaram-se parte da estratégia de um número crescente de empresas, cientes da necessária relação entre retorno econômico, ações sociais e conservação da natureza e, portanto, do claro vínculo que une a própria prosperidade com o estado da saúde ambiental e o bem-estar coletivo da sociedade.

É cada vez mais importante que as empresas tenham consciência de que são parte integrante do mundo e não consumidoras do mundo. O reconhecimento de que os recursos naturais são finitos e de que nós dependemos destes para a sobrevivência humana, para a conservação da diversidade biológica e para o próprio crescimento econômico é fundamental para o desenvolvimento sustentável, o qual sugere a utilização dos recursos naturais com qualidade e não em quantidade.

Sustentabilidade e Responsabilidade Social Corporativa

Evolução Histórica da Sustentabilidade e da Responsabilidade Social Corporativa
© WWF-Brasil


O consumidor é cada vez mais consciente do peso ecológico e social de suas próprias escolhas. Assim, para a empresa garantir a satisfação dos consumidores ela terá, cada vez mais, que fornecer respostas coerentes a estes assuntos, reconhecendo a crescente sensibilidade do mercado às temáticas como a sustentabilidade e empenhando-se a atingir resultados positivos a favor do ambiente.

Empresas que queiram manter a competitividade ao longo prazo devem, portanto, responder às expectativas dos cidadãos-consumidores, valorizando o comportamento responsável.

Para o WWF-Brasil a colaboração e as parcerias com o mundo privado representam um pressuposto essencial para um futuro sustentável, ajudando desta forma a trazer o conceito de sustentabilidade da teoria para a prática.





Fonte: http://www.wwf.org.br

Lixão x Aterro

De acordo com a Pesquisa Nacional de Saneamento Básico realizada pelo IBGE em 2000, coleta-se no Brasil diariamente 125,281 mil toneladas de resíduos domiciliares e 52,8% dos municípios Brasileiros dispõe seus resíduos em lixões.

Você sabe a diferença entre lixão, aterro controlado e aterro sanitário?

Um lixão é uma área de disposição final de resíduos sólidos sem nenhuma preparação anterior do solo. Não tem nenhum sistema de tratamento de efluentes líquidos - o chorume (líquido preto que escorre do lixo). Este penetra pela terra levando substancias contaminantes para o solo e para o lençol freático. Moscas, pássaros e ratos convivem com o lixo livremente no lixão a céu aberto, e pior ainda, crianças, adolescentes e adultos catam comida e materiais recicláveis para vender. No lixão o lixo fica exposto sem nenhum procedimento que evite as conseqüências ambientais e sociais negativas.



Já o aterro controlado é uma fase intermediária entre o lixão e o aterro sanitário. Normalmente é uma célula adjacente ao lixão que foi remediado, ou seja, que recebeu cobertura de argila, e grama (idealmente selado com manta impermeável para proteger a pilha da água de chuva) e captação de chorume e gás. Esta célula adjacente é preparada para receber resíduos com uma impermeabilização com manta e tem uma operação que procura dar conta dos impactos negativos tais como a cobertura diária da pilha de lixo com terra ou outro material disponível como forração ou saibro. Tem também recirculação do chorume que é coletado e levado para cima da pilha de lixo, diminuindo a sua absorção pela terra ou eventuamente outro tipo de tratamento para o chorume como uma estação de tratamento para este efluente.




Mas a disposição adequada dos resíduos sólidos urbanos é o aterro sanitário que antes de iniciar a disposição do lixo teve o terreno preparado previamente com o nivelamento de terra e com o selamento da base com argila e mantas de PVC, esta extremamente resistente. Desta forma, com essa impermeabilização do solo, o lençol freático não será contaminado pelo chorume. Este é coletado através de drenos de PEAD, encaminhados para o poço de acumulação de onde, nos seis primeiros meses de operação é recirculado sobre a massa de lixo aterrada. Depois desses seis meses, quando a vazão e os parâmetros já são adequados para tratamento, o chorume acumulado será encaminhado para a estação de tratamento de efluentes. A operação do aterro sanitário, assim como a do aterro controlado prevê a cobertura diária do lixo, não ocorrendo a proliferação de vetores, mau cheiro e poluição visual.



Fonte: http://www.lixo.com.br

domingo, 2 de janeiro de 2011

A Arquitetura Bioecológica - o modelo de Construção Civil com responsabilidade ambiental



1. Minimizar o impacto ambiental das construções.

2. Promover comunidades sustentáveis.

3. Promover a saúde e o bem-estar do homem.

4. Priorizar a longevidade da construção, durabilidade e adaptabilidade.

5. Utilizar materiais de baixo impacto ambiental.

6. Promover a conservação e uso racional da água.

7. Promover a eficiência energética, o uso racional de energia e as fontes de energia renovável.

8. Minimizar a produção de resíduos e promover a reciclagem.

9. Não utilizar produtos tóxicos. Usar preferencialmente ecoprodutos.

10. Promover a educação ambiental, o consumo consciente e a preservação da cultura

A Valorização do Edifício Bioecológico



Segundo estudos desenvolvidos pelo Green Building Council, realizado com os edifícios certificados, vários são os benefícios econômicos obtidos com os edifícios sustentáveis:

. Os ocupantes de escritórios em edifícios verdes têm grande diferencial de qualidade de vida e saúde e se tornam de 2 a 16% mais produtivos.

. As vendas em locais com iluminação natural são até 40% maiores que os locais fechados. (Source: California Board for Energy Efficiency Third Party Program).

. Estudantes de escolas que priorizam a iluminação natural foram 20% mais rápidos em provas de matemática e 26% em testes de leitura. (According to a Heschong Mahone Group study, “Day lighting in Schools,” conducted on behalf of the CA Board for Energy Efficiency).

. Cada US$1 investido na construção de edificios sustentáveis retorna US$15 em 20 anos:
74% – Saude e produtividade dos ocupantes
14% - Operação e manutenção
09% - Energia
02% - Emissões
01% - Água

. Um investimento de 2% no projeto, em média, resulta em economia de até 20% no custo total da construção. (Fonte: The Costs and Financial Benefits of Green Buildings: A Report to California's Sustainable Building Task Force, October 2003)


Retirado do site: http://www.anabbrasil.org/arquitetura.asp